segunda-feira, 3 de agosto de 2009

Coisas


A sério, já não sei se serei eu ou ele?! Ou ela?! Ou até mesmo eu! Apenas não sei e gostaria imenso, muito de saber!!!
Hoje até estou naqueles dias, razoáveis, óptimos até...Mas quando estou com a "tal" personagem... Epah, a sério, tira-me do sério! E eu a ele provavelmente. Como é possível sermos do mesmo sangue, como é possível sermos tão iguais e tão diferentes. Como?!?!
Como tenho saudades dos dias distantes dele,
Como tenho saudades dos dias em que ouvia a sua voz ao telemóvel e me pedia para ir ao Algarve passar o fds consigo.
Como... Como tenho saudades de ser criança, de ser inocente... Mas até ai chocávamos e não era pouco.
Mas ai, não resmungava, não respondia. Por respeito, por medo, seja lá o que for.
Agora, ainda... Existe respeito, medo não diria!
Cada vez mais angústia, mais tristeza ronda esta casa tenebrosa, melindrada.
Vivo, vive-se no meio de "lama", onde queremos andar e custa-se a levantar o pé do chão, onde quero correr e dou por mim caída em pleno chão, onde quero sentar-me e dou por mim deitada, suja como quem chora, como que quer chorar e secou totalmente.
Olho em volta e reparo que provavelmente e supostamente não serei a única. Em meu redor, ainda existe mais três iguais a mim, a sofrerem de maneiras diferentes, a pensarem e julgarem de maneiras opostas.
Pergunto-me, como sempre fiz e talvez faça, serei eu ou serão eles? E qual?
Questiono-me sobre muita coisa, como já devem ter reparado, talvez por isso, duvida da minha própria existência, (atenção, quando digo isto, refiro-me propriamente, ao que fazemos "aqui", para que servimos nós... Muito questiono eu, correctamente ou estupidamente).
Já não sei o que fazer, o que pensar, o que julgar, (por pouco que o faça ou por muito que o detesta, ainda julgo ou coloco em questão, infelizmente, digo eu), o que dizer, o que propor... Até mesmo eles, acredito!
Por vezes, torno-me demasiado"egoísta", "Ego", séptica, (coisa que julgo não ser, mas ao pensar já estou a ser!), ao pensar que deveria largar tudo para o alto, (que "basicamente" é nada mais que eles, desculpem a directa, mas nem sempre é assim), outras vezes torno-me demasiado recta, julgando-me humanista e agindo como devo agir, ficar por cá e seguir em frente, ou seja, vivendo neste inferno que é todos os dias e esquecendo o mal que nos prejudica. Pensado que, se realmente for, alguém irá precisar de mim, alguém sentirá a minha falta. E isso sem dúvida que acontecerá, mas também penso, que se assim continuar a pensar desta forma, não alcançarei o que anseio, o que desejo…
Resta-me apenas tolerar, aguardar pela minha vez, vivendo o dia-a-dia, cada um por si mesmo…Quanto a mim mesmo, a minha capacidade de agir e repor-me será fortalecer-me, enraizar-me onde quer que seja e possa.
Todavia, não será nada fácil, pois todos os dias que passam são uma etapa constante, são um objectivo que se torna um tanto ilimitado de alcançar, porém, resta-me sempre esperança, por mínima que seja, por mais desaparecida que possa parecer, por mais que tente desistir, NUNCA ela desistira.
I Believe! I wish!


Palavras de uma mera e simples rapariga, contudo sabe bem o que quer e deseja. Por isso eu acredito e desejo...

6 comentários:

  1. Nem deve desistir. Se desistir, morre.

    ResponderEliminar
  2. Oh miga, não existem famílias felizes. Todas têm os seus altos e baixos, as suas distâncias...
    Tu tens é de ser egoísta, pensar em ti. Se for o melhor, vai embora.

    ResponderEliminar
  3. É fácil dar conselhos aos outros, o difícil é aceitá-los. Faça o que lhe vai no coração, mas peça sempre um conselho à razão. Gostei do seu blogue. :)

    ResponderEliminar